Home
 
 
 
 
 
 
 

20/01/2019

O Filho da Viúva de Naim

Lc. 7.11-17

Int.: Jesus estava exercendo o seu ministério terreno na região da Galiléia, no norte de Israel. Jesus acabara de curar o servo do centurião de Cafarnaum, liberando uma palavra, mesmo a distância e o criado sarara.

      Agora Jesus com muitos de seus discípulos e uma grande multidão se dirigia para a cidade de Naim, que ficava a quatorze quilômetros ao sul de Nazaré, na região da Galiléia.

      A cidade de Naim era uma cidade muito pequena, ao ponto de as pessoas a chamarem de aldeia. Na época de Jesus tinha mais ou menos cento e cinquenta a duzentas famílias como habitantes da cidade.

      Como era uma cidade muito pequena, uma cidade interiorana, as pessoas todas se conheciam por nome, e se solidarizavam umas com as outras, quando tinham algum problema.

I- A Situação da Pobre Viúva.

      Aqui neste texto da Palavra de Deus conta a situação de uma pobre viúva da cidade de Naim.

- Aquela mulher já havia perdido o seu marido e vivia uma vida difícil.

- Agora o que aquela viúva tinha de mais importante na sua vida, que era o seu filho, falecera.

- Aquela pobre viúva estava desconsolada, estava consternada.

- Toda a cidade se solidarizou com a sua dor, e veio chorar com ela.

- A mulher já havia perdido o marido e agora perde o único filho.

- Toda a cidade veio para o enterro do filho daquela viúva.

- As famílias de posse, quando morria um parente, sepultavam o seu morto num sepulcro escavado na rocha e fechavam com uma pedra.

- Os pobres, enterravam numa cova, num cemitério fora da cidade.

- O corpo do filho da viúva foi envolto num lençol, e carregado num esquife, espécie de uma maca.

- A pobre viúva ia à frente do cortejo fúnebre chorando, atrás vinham carregando o esquife e a multidão da cidade acompanhando.

II- O Encontro de Jesus Com a Viúva.

      O cortejo levando o esquife com o corpo do jovem passou a porta da cidade.

- Quando o cortejo fúnebre passou a porta da cidade, Jesus ia chegando com muitos de seus discípulos e uma grande multidão.

- A grande pergunta: O que Jesus foi fazer em Naim?

- Naim era fora da rota das grandes cidades.

- Naim não era meio caminho para chegar a alguma outra cidade.

- Naim era longe das outras cidades.

- Quem chegasse em Naim, era porque queria chegar em Naim.

- Jesus pela sua onisciência foi em Naim com um propósito: Encontrar aquela viúva e ressuscitar o seu filho.

- A presença de Jesus em nosso meio tem um propósito: Abençoar a tua vida.

- Os dias anteriores daquela mãe devem ter sido muito tristes, dias de desconsolo e desespero. Mas, no dia seguinte, Jesus foi ao encontro dela e fez algo surpreendente.

- Muitas vezes, quando estamos em dificuldades, pensamos que estamos sozinhos. É comum lembrarmos daquele ditado que os verdadeiros amigos se conhecem nos momentos de adversidade. Também é muito fácil cair na tentação de pensar que fomos abandonados e que, sozinhos, não vamos conseguir.

- Mas, Jesus estava chegando perto daquela mulher desesperada, desconsolada.

- Se Ele chegou perto dela, quem sabe se Ele também não pode se aproximar de você nessa hora tão difícil.

- Jesus é assim: quando precisamos, Ele sempre arranja um jeito de chegar mais perto da gente. Pode acreditar amado.

Fp. 4.5: Seja a vossa equidade notória a todos os homens. Perto está o Senhor.

- Quando Jesus se aproximou da cidade, algo inusitado aconteceu.

- Seguindo Jesus vinha uma multidão, e seguindo a viúva, outra.

- Ali, na saída da cidade, essas duas multidões se encontraram. Uma, seguindo o dono da vida. A outra, seguindo um rapaz morto.

- A que seguia Jesus o fazia porque onde Jesus está, sempre acontece algo extraordinário. Era a multidão da esperança, que também esperava para ver ou receber um milagre.

- A outra, ao contrário, não tinha mais nenhuma esperança.

- Então, Jesus faz aquilo que ninguém esperava: choca a multidão da desesperança e surpreende a da esperança.

- Você perdeu a esperança? Calma que Jesus está chegando.

Mt. 28.20: E eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.

- Uma coisa eu quero destacar aqui: Se Jesus chegasse dez minutos depois, a viúva já teria enterrado o seu filho e estaria voltando.

- Jesus chegou na hora certa, no momento propicio para o encontro com o cortejo fúnebre.

- Jesus não tarda e nem falha, Ele chega na hora certa para nos dar a vitória.

V. 13: E, vendo-a, o Senhor moveu-se de intima compaixão por ela.

- Naquela multidão de pessoas, muitas tristes, algumas chorando, Jesus viu alguém em especial, que chamou a sua atenção.

- Jesus viu a viúva que havia perdido seu filho.

- Jesus moveu-se de íntima compaixão por ela.

- Jesus não demorou a perceber o sofrimento que ela estava passando, e ficou sensibilizado com isso.

- Talvez você esteja sofrendo bastante, não sei, mas quero que você saiba e entenda que Jesus está vendo seu sofrimento.

III- Jesus Tinha Uma Palavra Para Aquela Pobre Viúva.

V. 13: Não chores.

- Só pode dizer não chores, quem tem a solução do problema.

- Só pode dizer não chores, quem vai consolar a dor.

- Só pode dizer não chores, quem vai mudar a situação.

- Jesus chegou em Naim.

- Jesus é a solução para a dor dessa pobre viúva.

- Quando Jesus chega, não consegue ficar calado, diante do sofrimento dessa pobre viúva.

- Mas Jesus não era doido, Ele sabia quem Ele era, e sabia muito bem.

- Se Ele diz para alguém não chores, meu irmão, pode enxugar as lágrimas, porque vem coisa boa por aí.

- Não existe situação difícil que Jesus não tenha a solução.

- Não existe problema difícil que Jesus não saiba como desatar o nó.

- Não importa o que você esteja passando, Jesus tem uma palavra para sua vida.

- Aquela mulher estava chorando por vários motivos: pelo passado, era viúva, não era sua primeira e terrível perda. Ela sabia o que era sofrer a perda de alguém próximo e querido. Chorava também pelo presente, havia perdido seu filho único, uma dor que só quem é mãe sente, e quando se é mãe de um filho só, a dor é dobrada. E chorava também pelo futuro, futuro esse que ela não tinha mais, pois seu filho defunto era sua esperança na velhice. A esperança daquela mulher estava morta.

- Mas, alegre-se: Jesus tem uma palavra para você.

V. 14: E, chegando-se, tocou o esquife (e os que o levavam pararam).

- O toque de Jesus muda trajetórias, histórias e vidas.

- Assim foi com aquele moço cujo destino era o cemitério mais próximo.

- Mas, o toque de Jesus mudou tudo e, mais uma vez, Jesus deixou outra cova vazia.

- Talvez nesta noite você esteja precisando do toque de Jesus, é só clamar.

IV- Jesus Dá Vida ao Defunto.

- A última palavra é sempre de Jesus na sua vida.

- A palavra de Jesus dá vida e levanta os caídos.

- Jesus tem a última palavra, até mesmo sobre a morte.

- Para aquela mãe, não havia mais esperança, não existia qualquer palavra que pudesse consolá-la, mas o que ela não sabia é que Jesus tem poder sobre tudo, e nem a morte podia escapar do que Ele decidisse.

- Meu irmão, minha irmã, se Ele ainda não se pronunciou, se Ele ainda não deu a última palavra, nem tudo está perdido.

V. 14: E disse-lhe: Mancebo, a ti te digo: Levanta-te.

V. 15: E o defunto assentou-se e começou a falar. E entregou-o à sua mãe.

- O jovem recebeu vida imediatamente e sentou-se no esquife, e começou a falar, mostrando que estava vivo.

- E Jesus entregou o jovem a sua mãe.

Conclusão:

V. 16: E de todos se apoderou o temor, e glorificavam a Deus, dizendo: Um grande profeta se levantou entre nós, E Deus visitou o seu povo.

- As lágrimas cessaram, o choro cessou, e houve grande alegria.

- Jesus devolveu a esperança para esta viúva.

- A pequena cidade de Naim foi abalada com este grande milagre de Deus.

- Quando Jesus chega algo extraordinário acontece.

- Você pode estar esquecido, mas Deus pode visitar sua vida e mudar sua história.

- Aquele povo parece que se sentia abandonado, à margem, mas Jesus chegou e visitou aquela cidade.

 

 

 

 

 

 
       
 

Pr. Silvano Doblinski
Presidente da Igreja Assembleia de Deus
do Jabaquara em São Paulo - Brasil







 

 
Mais mensagens
Adicionar AD Jabaquara aos Favoritos