Home
 
 
 
 
 
 
 

09/01/2021

O Messias Sofre, Mas Triunfa                              

Sl. 22.1

Int.: Não sabemos o momento exato em que Davi compôs o Salmos 22, mas a citação dele por Jesus na cruz é profética, e nos ajuda a entender o seu significado como parte da mensagem eterna do evangelho de Cristo.

      O Salmos reflete os pensamentos de Davi quando perseguido por Saul, mas ganha uma força maior quando vinculado ao sofrimento de Jesus.

      A angústia do sofredor é severa, mas temporária, pois ele olha para frente com confiança em Deus, sabendo da sua aceitação e da certeza do seu lugar na presença de Deus.

      O título do Salmos diz: O Messias sofre, mas triunfa.

- Jesus morreu na cruz do calvário, mas ressuscitou ao terceiro dia e triunfou sobre o pecado e a morte.

      Quando Jesus estava pregado na cruz, Ele pronunciou as palavras: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”

- Deus deixou seu Filho Jesus Cristo só naquele momento, por causa dos nossos pecados.

V. 6: Mas eu sou verme, e não homem, opróbrio dos homens e desprezado do povo.

- Davi sentiu o que Jesus sentiu na cruz do calvário.

V. 7: Todos os que me veem zombam de mim, estendem os lábios e meneiam a cabeça.

- Jesus foi desprezado, abandonado e zombado pelos homens na cruz do calvário.

Is. 53.3: Era desprezado e o mais indigno entre os homens; homem de dores e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.

- Estava profetizado que Jesus passaria por esse desprezo na cruz do calvário.

- Isso aconteceu com Jesus por causa dos nossos pecados que estavam sobre Ele.

- Os inimigos de Jesus naquele dia até usaram as palavras desse Salmos nas suas tentativas de humilhá-lo.

V. 8: Confiou no Senhor, que o livre; livre-o, pois nele tem prazer.

- As autoridades dos judeus olharam para Jesus na cruz e falaram: “Confiou em Deus; pois venha livrá-lo agora, se, de fato, lhe quer bem”.

V. 16: Traspassaram-me as mãos e os pés.

- A descrição se enquadra no modo de execução por crucificação.

- Até as ações dos soldados que crucificaram Jesus foram mencionadas nessa profecia escrita mil anos antes do fato.

V. 18: Repartem entre si os meus vestidos e lançam sortes sobre a minha túnica.

- O valor profético deste Salmos é grandioso.

- Este Salmos se divide em duas partes principais.

- Os primeiros 21 versos apresentam o apelo do Messias sofredor a Deus, o único capaz de livrá-lo.

- Os últimos 10 versos destacam os resultados do livramento de Deus em oferecer a mensagem salvadora às nações.

- Alguns versos deste Salmos merecem destaque.

- Mesmo usando a linguagem que reflete a sua agonia, o Messias não questiona a posição nem o poder de Deus.

V. 3: Porém tu és Santo, o que habitas entre os louvores de Israel.

- Mesmo nos momentos mais difíceis, nunca devemos levantar acusações contra Deus ou questionar sua soberania.

- Sempre devemos manter a fé em Deus.

V. 9: Mas tu és o que me tiraste do ventre; o que me preservaste estando ainda aos seios de minha mãe.

- Considerando sua situação da perspectiva humana, o Sofredor se vê como um homem fraco cercado por feras.

- Ele descreve os malfeitores que o cercam como muitos touros, cães, búfalos e o leão que despedaça enquanto os ossos e o coração dele falecem.

V. 15: A minha força se secou como um caco, e a língua se me pega ao paladar; e me puseste no pó da morte.

- Mas Ele entende que Deus é o único capaz de salvá-lo.

V. 19: Mas tu, Senhor, não te alongues de mim; força minha, apressa-te em socorrer-me.

- Davi, no Salmos 22, não somente profetizou sobre o sofrimento de Cristo na cruz do Calvário, mas também olhou para o efeito da sua vitória sobre a morte.

- Jesus venceu a morte.

- Ele ressuscitou e subiu para seu lugar exaltado à destra do Pai.

- Jesus reina e oferece proteção e segurança eterna para aqueles que se convertem a Ele.

- Todos nós temos o privilégio de podermos conhecer e honrar o Senhor e Salvador.

V. 26: Louvarão ao Senhor os que o buscam.

- O nosso Salvador, o Messias, o Senhor Jesus, sofreu na cruz por nós, mas triunfou.

- O plano de Deus para a nossa salvação foi consumado em Jesus Cristo.

V. 27: Todos os limites da terra se lembrarão e se converterão ao Senhor; e todas as gerações das nações adorarão perante a tua face.

- Essa profecia tem se cumprido em todas as nações da terra.

- O Evangelho de Cristo tem sido pregado em todas as nações da terra.

Mt. 24.14: E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as gentes, e então virá o fim.

- Jesus Cristo anunciou essa profecia do cumprimento da Palavra de Deus.

- A Igreja de Cristo que somos nós, temos a obrigação de pregar o Evangelho de Cristo por todo o mundo.

- Jesus já deu essa ordem à nós: “Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda a criatura”.

- Deus é soberano e tem o domínio sobre todas as nações da terra.

V. 28: Porque o reino é do Senhor, e ele domina entre as nações.

- Deus está no controle de tudo o que ocorre na terra.

- Até mesmo nessa pandemia, Deus está vendo tudo, Deus está no controle de nossas vidas.

- Não é porque a pandemia se alastrou pelo mundo todo, que Deus não está vendo e está controlando.

- Essa pandemia faz parte do princípio de dores, profetizado por Jesus em Mateus 24.

- São sinais da eminente volta de Jesus para buscar a sua Igreja.

- Deus é justo e reto, a humanidade está colhendo o que tem plantado.

Conclusão: Jesus veio a esta terra e cumpriu o plano redentor do Pai, para a salvação da humanidade.

- Jesus sofreu e morreu na cruz por nossos pecados.

- Jesus ressuscitou ao terceiro dia e está assentado a destra do Pai, intercedendo por nós.

- Em Cristo nós somos mais que vencedores por aquele que nos amou.

- Estamos neste mundo, mas Jesus está conosco para nos dar vitória.

- Enfrentamos dificuldades, mas vencemos com Cristo.

 

 

 

 

 

 
       
 

Pr. Silvano Doblinski
Presidente da Igreja Assembleia de Deus
do Jabaquara em São Paulo - Brasil







 

 
Mais mensagens
Adicionar AD Jabaquara aos Favoritos