Home
 
 
 
 
 
 
 

02/02/2021 

                     O Homem Natural e o Homem Espiritual

I Co. 2.14,15,16

Int.- É importante nós entendermos como a Bíblia explica a vida dos seres humanos na terra. Essa explicação vai nos dar a noção clara de como as pessoas aceitam ou não aceitam a existência de Deus.

      Vemos como as pessoas rejeitam a Deus e não compreendem a nossa fé em Jesus.

      Quando nós cristãos entendemos a existência dessas pessoas, fica mais fácil compreendermos a separação do crente do mundo.

I- As Duas Classes de Pessoas.

      As Escrituras dividem todos os seres humanos em geral, em duas classes:

1- O Homem Natural.

      Denotando a pessoa irregenerada, governada por seus próprios instintos naturais.

II Pe. 2.12: Mas estes, como animais irracionais, que seguem a natureza, feitos para serem presos e mortos, blasfemando do que não entendem, perecerão na sua corrupção.

- Tal pessoa não tem o Espírito Santo, está sob o domínio de Satanás e é escrava da carne com suas paixões.

- Tal pessoa pertence ao mundo, e está em harmonia com ele e rejeita as coisas do Espírito.

- A pessoa natural não consegue compreender a Deus, nem os seus caminhos; pelo contrário, depende do raciocínio ou emoções humanas.

- O homem natural vive pelos seus instintos e pelo seu bem querer.

- O homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque para ele parece loucura.

- O homem natural não compreende as coisas de Deus.

- O homem natural é inimigo de Deus.

- O homem natural, em seu estado primitivo, dispõe de uma vida puramente animal, limitada às sensações puras e, com muita dificuldade, dispondo dos bens que a natureza lhe oferece.

- O homem natural deixa-se influenciar por paixões, desejos, apetites e impulsos da carne.

- O homem natural tem a visão das coisas materiais e naturais.

- O homem natural pode compreender as coisas físicas, mas não compreende as espirituais.

2- O Homem Espiritual.

- No grego é a palavra “pneumáticos”, consiste na pessoa regenerada e que tem o Espírito Santo de Deus.

- Essa é a pessoa crente, que aceitou a Jesus como salvador, que nasceu de novo, que tem o Espírito Santo de Deus.

- Essa pessoa tem a mentalidade espiritual, conhece os pensamentos de Deus e vive pelo Espírito de Deus.

- Essa pessoa crê em Jesus Cristo, esforça-se para seguir a orientação do Espírito que nela habita e resiste aos desejos sensuais e ao domínio do pecado.

Jo. 3.6: O que é nascido da carne, é carne, e o que é nascido do Espírito, é espírito.

- Para o homem ser espiritual, ele precisa nascer do Espírito, quer dizer: se converter a Cristo.

II- Existe Uma Distinção Entre os Crentes.

      Embora o crente nascido de novo receba a nova vida do Espírito, ele tem residente em si à natureza pecaminosa, com suas perversas inclinações.

Gl. 5.16: Digo, porém: Andai em Espírito e não cumprireis a concupiscência da carne.

      A natureza pecaminosa que no crente existe, não pode ser mudada em boa; ela precisa ser mortificada e vencida pelo poder e graça do Espírito Santo.

Rm. 8.13: Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis.

- O crente obtém tal vitória negando-se a si mesmo diariamente.

- Precisamos morrer para a carne todos os dias.

- Pelo poder do Espírito Santo, o crente guerreia contra a natureza pecaminosa diariamente e a crucifica e a mortifica.

Cl. 3.5: Mortificai, pois, os vossos membros, que estão sobre a terra: a prostituição, a impureza, o apetite desordenado, a vil concupiscência, e a avareza, que é idolatria.

- Pela abnegação e submissão à obra santificadora do Espírito Santo em sua vida, o crente em Cristo experimenta a libertação do poder da sua natureza pecaminosa e vive como um crente espiritual.

- Nem todo crente se esforça como devia para vencer plenamente sua natureza pecaminosa.

- O crente precisa guerrear diariamente com a sua carne.

1- A Primeira Distinção é a Figura do Crente Carnal.

- Os crentes da Igreja de Corinto estavam vivendo na carne; viviam de tal maneira que já não cresciam na graça, e agiam como recém-convertidos, sem divisar o pleno alcance da salvação em Cristo.

I Co. 3.1,2: E eu, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a meninos em Cristo.

      Com leite vos criei, e não com manjar, porque ainda não podíeis, tampouco ainda agora podeis.

- A carnalidade dos crentes de Corinto era vista na inveja e contendas.

V. 3: Porque ainda sois carnais. Pois, havendo entre vós inveja, contendas e dissensões, não sois, porventura, carnais e não andais segundo os homens?

- Havia crentes em Corinto que não se afligiam com a imoralidade dentro da igreja.

- Não levavam a sério a Palavra de Deus nem os ministros do Senhor.

- Moviam ação judicial, irmãos contra irmãos, por razões triviais.

- Os crentes carnais de Corinto corriam o perigo de se desviarem da pura e sincera devoção a Cristo e de se conformarem cada vez mais com o mundo.

II Co. 11.3: Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos e se apartem da simplicidade que há em Cristo.

- O apóstolo Paulo mostrava que se continuassem assim, seriam castigados e julgados pelo Senhor e acabariam sendo excluídos do reino de Deus.

Rm. 8.8: Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus.

- Deus não tem prazer no crente que vive na carne.

- O crente carnal não pode agradar a Deus.

- Se um crente carnal não tomar a resolução de se purificar de tudo quanto desagrada a Deus, ele corre o risco de abandonar a fé.

- Se o crente der vazão à carne, ela vai levá-lo para o mundo de pecado.

- O crente deve entender que é impossível participar das coisas de Deus e das coisas de Satanás ao mesmo tempo.

I Co. 10.21: Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios.

- O crente não pode viver com um pé na igreja e um pé no mundo.

2- A Segunda Distinção é a Figura do Crente Espiritual.

- Deus nos chamou para sermos crentes espirituais.

V. 15: Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido.

- O homem espiritual tem a capacidade de julgar, de discernir, de compreender todas as verdades espirituais, de distinguir entre o falso e o verdadeiro.

- É capaz de fazer distinção entre o falso e o verdadeiro seguidor de Cristo.

Rm. 8.14: Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus.

V. 16: O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus.

- O crente espiritual vive na dimensão do Espírito.

- O crente espiritual se alimenta da Palavra de Deus e da comunhão com Deus.

- O crente espiritual vence a sua natureza pecaminosa.

Gl. 5.16: Digo, porém: Andai em Espírito e não cumprireis a concupiscência da carne.

- Somos convidados por Deus a andar em Espírito.

- Andar em Espírito é andar no âmbito de sua influência.

- Quando o crente anda no Espírito, o Espírito exerce poder transformador sobre a alma, para que adquira a imagem de Cristo.

- Quando andamos em Espírito se tornamos mais semelhantes com Cristo.

- Um pastor disse: A melhor maneira de conservar uma medida livre de joio é enchê-la de trigo.

- A melhor maneira de o crente vencer a natureza pecaminosa é ser cheio do Espírito Santo.

Ef. 5.18: E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito.

- Deixe se encher do Espírito Santo de Deus.

- Seja um crente espiritual.

- Seja um crente fervoroso no espírito.

Rm. 12.11: Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor.

- Fomos chamados para a salvação e para sermos crentes espirituais.

- A espiritualidade te levará a vitória.

 

 
       
 

Pr. Silvano Doblinski
Presidente da Igreja Assembleia de Deus
do Jabaquara em São Paulo - Brasil







 

 
Mais mensagens
Adicionar AD Jabaquara aos Favoritos